Posicionamento de mercado e a gestão de crise

Posicionamento de mercado e a gestão de crise
Compartilhar
  •  
  •  
  •  

A Instabilidade frente a crise mundial do corona vírus, trouxe grandes mudanças para o mercado comercial. Mudanças no posicionamento de marketing, publicidade, oferta de produtos e até mesmo a forma de abordagem dos clientes, tanto no pré como no pós venda, tem sido um desafio para empresários e gestores.
Com a forte pressão financeira, sofrida pelas empresas em tempos de recessão, muitas vezes, não conseguem ter a resposta rápida e necessária para a tomada de decisão e assim acabam perdendo a força no mercado, visando apenas um retorno financeiro imediato das ações comerciais.
Embora seja necessário manter o equilíbrio financeiro na gestão de crise, também é preciso que ações imediatas para a consolidação da marca, a fidelização, a manutenção dos clientes e até mesmo para alavancar a demanda de oportunidade por produtos e serviços que a empresa possa oferecer, sejam geradas.
No pré venda e prospecção, ações com cunho de bonificações e vantagens dão abertura ao contato com cliente, trazendo a possibilidade de vendas mesmo em tempos de recessão. Mostrar as vantagens do momento ao cliente, criar um “time” menor de vendas e escassez, sem dúvidas pode aumentar as chances da concretização das ações de vendas. Já no pós venda, é importante ter a compreensão das nuances do mercado para que se possa adotar medidas protetivas ao cliente como forma de solidarização ao momento vivido. O mercado vem demostrando que as empresas que adotam medidas de auxílio e apoio ao cliente, vem criando uma imagem positiva diante dos mesmos, gerando fidelização por empatia.
É necessário compreender o público alvo, sua fragilidade e desenvolver ações sensíveis de abordagem. Marcas que não investem em visibilidade durante a crise, por exemplo, dificilmente serão lembradas como preferência no pós crise. Investir em engajamento nas redes sociais, oferecendo capacitação e acolhimento diante do assunto do nicho do mercado da empresa, pode ser uma saída econômica e eficiente.
Se não for hora para efetivação das vendas, que seja para criação de mercado de consumo futuro! Investir na capacitação e/ou no interesse do público alvo, pelos assuntos que lembrem os produtos da empresa pode ser um diferencial.

Lembrando que o momento é virtual! Investir em tecnologias e meios de acesso ao cliente através dos meios on-line, nunca estiveram tão em alta. Gerar conteúdo produtivo de entretenimento, como lives ao vivo e fazer propagandas indiretas, vem sendo uma escolha frequente das marcas que melhor estão se posicionando.
Outra estratégia que vem sido adotada com êxito é a parceria entre indústrias e empresas de educação a distância. Os cursos on-line podem ocupar o tempo de ócio de forma produtiva, capacitando e gerando interesse do cliente, para que no futuro possa haver concretização da compra de um produto da indústria, por exemplo.
O fato é que o posicionamento no mercado atual será um divisor comercial para as empresas no pós crise, empresas que melhor se comunicarem poderão disputar fatias comerciais de marcas líderes concorrentes que não souberem se posicionar criativa e adequadamente.
Ainda que viva-se uma crise sem precedentes é pouco inteligente pensar única e exclusivamente em interesses econômicos, criar vínculos, personalidade e identidade da marca nesse momento de fragilidade, criando ações sensíveis com cunho responsável é a melhor maneira de sobreviver ao cenário comercial caótico. (Fernanda Aleixo – Assessoria de Imprensa) – Fotos: Divulgação